Desconstruindo ' As Cronicas de Narnia'




É difícil alguém que já não tenha ouvido falar desse livro fantástico, as crônicas de Nárnia e um clássico da literatura infanto-juvenil, trazendo ao leitor por décadas as mesmas emoções do autor escritas a mais de cinquenta anos. Sou suspeita para falar porque sou completamente Narniana e uma admiradora incondicional das obras de Lewis. Mas não e em vão, o homem possue um incrível talento.

Clives Staples Lewis, ou somente C.S Lewis, foi professor universitário, escritor, romancista, poeta e apologista cristão de sua época. Autor de diversos títulos famosos no mundo.

Entre seus mais famosos títulos esta a belíssima construção fantástica do livro As Cronicas de Nárnia, tornando-se mais tarde uma sequencia de filmes que fez com que a obra se espalhasse pelo mundo.

Para quem não conhece o história, Nárnia e um outro mundo, paralelo ao planeta terra, criado por um rei que tem a figura de um grande Leão, chamado Aslam ou Aslan.

As crônicas de Nárnia formam uma sequencia de sete obras, começando por  'O sobrinho do Mago'.

Nárnia e um mundo onde a magia e algo completamente natural e animais são capazes de falar. Em todos os livros, crianças são levadas até esse mundo de diversas formas, afim de ajudar o Reino de Nárnia e receberem o apoio do grande Rei Aslam.


Apesar do livro conter bastante coisa sobre a mitologia grega e nórdica bem como conto de fadas, é notória a representação bíblica em vários aspectos da historia. Ainda estou terminando o segundo livro, e vou escrevendo a sequencia de posts baseado no que vou notando e descobrindo da história.

No primeiro livro da série, Digory e Polly e suas ideias de outros universos, são enviados para Nárnia através de anéis que o tio doido de Digory guarda. Primeiro eles visitam um outro universo chamado Charn e despertam uma perigosa feiticeira desse mundo.

Fica claro a comparação no livro de Charn com o mundo dos mortos ou mesmo o inferno, como se a própria feiticeira represente o mal.


Vou pontuar as semelhanças para que fique mais claro. No primeiro livro nos vemos:


Charn: O primeiro mundo que Digory e Polly entram, é um planeta vermelho cor de sangue velho, seu Sol já não possui forca para brilhar e não há nenhuma vida nesse planeta, todas foram sugadas pela feiticeira má


Feiticeira: Uma representação clara do mal, sugou a vida de todos os habitantes de seu planeta porque rejeitaram servi-lá da maneira correta, então ela destrói tudo que há de vida usando a -tal-'Palavra Execrável'


Duas crianças: A imagem da inocência e ao mesmo tempo da coragem, Digory e Polly me transmitem a leveza e a facilidade de nos aproximarmos do criador pelo coração puro.

Tio Andre: O homem que possue os anéis, um homem frio, bêbado e de um coração carregado de individualismo. Nao é atoa que não tenha conseguido ouvir a voz de Aslam, e no lugar tenha ouvido apenas rugidos de um bravo Leão.


Animais falantes: Quando Deus criou o Éden e colocou nele tanto Adão quanto toda espécie de animais, a intenção era que vivessem em harmonia, não como servo e senhor mas como amigos em um paraíso. Não estranharia de saber que no Éden os animais eram capazes de falar com Adão


Aslam: um leão falante de figura imponente considerado a autoridade máxima do Reino de Nárnia. A única figura presente em todos os livros da série, sendo o criador, salvador e destruidor de Nárnia O Leão Rei, usa no decorrer da historia vários adjetivos que nos levam a crer que ele representa para Nárnia, o que Cristo representa para nós. Talvez Lewis estivesse interessado em propagar o evangelho de forma que todos tivessem uma compreensão mais profunda e vista através das alegorias. Ele é poderoso, mas gentil, cheio de uma ira justa e rico em compaixão; ele inspira assombro e até terror (pois não é um leão domesticado) e, ainda assim, ele é tão belo quanto é bom. Como os próprios personagem mencionam ele e sim perigoso, perigosíssimo, mas ele e bom. 


No próximo post falarei somente a respeito de Aslam, visto que e o personagem central da historia.




"E aí aconteceu uma coisa muito engraçada. As crianças não tinham ouvido falar de Aslam, mas no momento em que o castor pronunciou o nome esse nome, todos se sentiram diferentes. Talvez isso já tenha acontecido a você em sonho, quando alguém lhe diz qualquer coisa que você não entende mas que, no sonho, parece ter um profundo significado – o qual pode transformar o sonho em pesadelo ou em algo maravilhoso, tão maravilhoso que você gostaria de sonhar sempre o mesmo sonho."
As Crônicas de Nárnia

B.P Vidal


Nenhum comentário:

Postar um comentário